Antigo Museu da Rádio, Lisboa: Providência cautelar avaliada pelo tribunal

Providência cautelar da Associação de Moradores da Lapa é avaliada pelo tribunal 

Decorrerá no próximo dia 19 de Junho, quarta-feira, às 10h, no Campus da Justiça, Edifício G, piso 6, Unidade Orgânica 2, a sessão de julgamento e inquirição de testemunhas relativa à providência cautelar intentada contra a Câmara Municipal de Lisboa pela Associação de Moradores da Lapa, para impedir a construção de três prédios novos com cerca de quatro mil m2 de área no logradouro do antigo edifício do Museu da Rádio. Nessa sessão irão depor os seguintes técnicos da CML e será também ouvido o autor do projeto de arquitetura, José Mateus.

A Câmara Municipal de Lisboa permitiu a construção de três edifícios no quintal do palacete do antigo Museu da Rádio da Rua do Quelhas, 21-23, com três caves para estacionamento, justificando a decisão com a existência, do antecedente, de construções nesse quintal, omitindo o facto de se tratar de abarracados ilegais.

Por outro lado, as construções projetadas localizam-se em cima dum leito de ribeira subterrâneo, envolvendo, portanto, uma alteração do atual estado de equilíbrio da "Colina do Parlamento", onde, no passado, já ocorreram deslizamentos de terras. Os moradores receiam que as escavações com mais de 9 metros de profundidade necessárias para criar as caves previstas no projeto aumentem o risco de derrocadas.

A edificação dos três prédios com pelo menos quatro pisos previstos no projeto, provocará o ensombramento de várias ruelas da vizinha Madragoa (bairro que é candidato à classificação de Património Mundial da Humanidade pela UNESCO), e implica a destruição de parte dos azulejos que cobrem o muro setecentista do logradouro.