Não se trata assim o Património

O Moinho Pequeno fazia parte duma zona classificada como Sítio de Interesse Municipal, do ponto de vista do Património Moageiro, Paisagístico e Ambiental, integrando também a Alburrica, a Ponta do Mexilhoeiro e a Quinta do Braamcamp. Justificava-se, por consequência, que qualquer intervenção que o envolvesse fosse concebida no âmbito de um programa para a totalidade da área.

Este moinho de maré, depois dos moinhos de vento de Alburrica, era o mais emblemático. Foi sempre considerado como o mais apto a receber um processo de requalificação corretamente concebido, centrado na área museológica moageira, por se tratar do único dos moinhos de maré do Barreiro com caldeira lajeada, de ser o mais pequeno e com melhor localização, junto uma das principais artérias da cidade.

Na sequência da demolição do Moinho Pequeno e da projetada reconstrução duma "réplica" de betão armado, a Associação Barreiro - Património, Memória e Futuro (ABPMF), subscritora da Declaração Final do Fórum do Património, defendeu, junto da Câmara Municipal do Barreiro, a realização de uma discussão pública sobre a obra, bem como sobre todo o programa para a área classificada. Infelizmente, a proposta da ABPMF não foi acolhida e o projeto de "valorização" do Moinho Pequeno avançou, ao arrepio da população, resultando no fantasmagórico objeto de betão armado que hoje se encontra sobre as fundações e as arcadas do desditoso Moinho Pequeno.

Vê a argumentação da Associação Barreiro - Património, Memória e Futuro.