Barreiro: Renaturalização, sim, urbanização, não


A Quinta do Braamcamp, uma antiga propriedade senhorial de inegáveis atributos paisagísticos, culturais e ambientais, foi adquirida em 2016 pela Câmara Municipal do Barreiro com a finalidade de a manter como espaço público. Contrariando tal opção, o actual executivo camarário decidiu promover a venda da propriedade.

Tendo em vista evitar a venda, a Associação Barreiro Património Memória e Futuro, integrada no movimento Plataforma "BRAAMCAMP É DE TODOS", interpôs, em finais de Março, uma providência cautelar.  No entanto, tal não dissuadiu a câmara de realizar a hasta pública, seleccionar o promotor e adjudicar a venda!

 A Plataforma  pretende que a quinta seja renaturalizada para permitir à população a fruição do tempo livre de forma activa, em contacto com a natureza. Pretende, além disso, evitar a destruição de um importante património ribeirinho e lutar contra a especulação imobiliária, que colocaria o território na posse de uma minoria economicamente privilegiada, negando-o à maioria da população. 


Um espaço de grande qualidade paisagística, ambiental e cultural, que o negócio imobiliário se propõe "valorizar".

Vê a apresentação "Providência cautelar contra a venda e construção na antiga Quinta de Recreio da Beira Tejo, Barreiro"